Bradesco, segundo maior credor do setor privado do Brasil, fechará cerca de 300 agências em 2020, como parte de um esforço para enfrentar maiores despesas operacionais que afetaram os ganhos do terceiro trimestre, disse o presidente do banco hoje (31).

LEIA MAIS: Bradesco lança PDV na segunda-feira

O Bradesco registra neste ano custos acima do esperado, ficando aquém de suas próprias metas e decepcionando investidores. Em janeiro, o banco informou que seus custos aumentariam até 4% em 2019, mas subiram 7,5% nos primeiros nove meses do ano.

Isso pesou sobre as ações do Bradesco na quinta-feira, que caíam cerca de 4% às 12h08, apesar do banco ter registrado lucro líquido trimestral em linha com a projeção dos analistas, a R$ 6,5 bilhões.

O presidente Octavio de Lazari Junior disse a jornalistas em uma teleconferência que o banco fechará 150 agências já neste ano. O banco encerrou setembro com 4.567 agências.

Lazari disse que um recente programa de demissão voluntária também ajudará a cortar custos. Ele disse que 3 mil trabalhadores já aderiram ao programa, cerca de 3% do seu quadro de funcionários. O Bradesco também vem renegociando melhores condições para contratos de fornecedores e fechado acordos em disputas trabalhistas.

Analistas do Credit Suisse observaram em nota a clientes que as despesas operacionais decepcionaram com o aumento das despesas com marketing e pessoal. A receita das tarifas também ficou abaixo da meta do banco, mas Lazari disse que provavelmente terminará 2019 na faixa de crescimento de 3% a 7% estabelecida no início do ano.

Lazari disse que espera que o banco registre um retorno sobre o patrimônio em torno de 20% nos próximos trimestres, apesar das taxas de juros mais baixas no Brasil. O Bradesco apresentou rentabilidade de 20,2% no terceiro trimestre.

O banco pretende acelerar o crescimento para atingir essa meta. “Ganhos de escala serão essenciais para o banco manter sua lucratividade em meio a taxas de juros mais baixas”, disse Lazari a jornalistas.

A carteira de crédito do Bradesco cresceu 3,2% no trimestre, impulsionada principalmente por empréstimos a consumidores e pequenas empresas. Lazari disse que o crescimento do crédito ao consumidor deve manter seu ritmo acelerado nos próximos trimestres.

 

Os empréstimos vencidos há mais de 90 dias ficaram em 3,6%, um aumento de 0,4 ponto percentual. O banco disse que o aumento foi causado por problemas com crédito a grandes empresas. As provisões para perdas com empréstimos também aumentaram 4% em relação ao segundo trimestre.

Autor:

Redação,

com Reuters